fbpx

Confira! Entrevista Cornelia Bonenkamp

Confira essa entrevista rápida com Cornelia Bonenkamp, facilitadora de constelações sistêmicas, que esteve presente no Metaforum 2017 – MiniCamp de Porto Alegre.

Metaforum: É possível notar-se hoje em dia um considerável crescimento nos cursos e formações de Constelações Sistêmicas por todo Brasil, para você, ao que se deve esse crescimento?
Cornelia: Muitos estão encontrando nos cursos de constelações uma forma de cura e libertação, ou até mesmo um propósito para si mesmos como profissionais de saúde e bem-estar. Por outro lado, entendo que o crescimento exagerado desses cursos tenha uma relação direta com a nossa forma ainda mecanicista de enxergar nossos problemas, onde buscamos soluções de fora pra dentro, soluções prontas que fariam por nós, o que somente nós podemos fazer por nós mesmos. Em minha formação procuro mostrar aos alunos que antes de qualquer mudança, o principal é se gerar consciência sobre quais elementos fazem parte da dificuldade e com isso, leva-lo a refletir que novas ações e comportamentos devem ser propostas pelo próprio cliente para que uma nova realidade se forme.

MF: Qual é a principal característica/qualidade que deve ter um facilitador sistêmico ao seu ver?
Cornelia: Um bom facilitador precisa conhecer bem os 3 princípios abordados por Bert Herllinger em seu trabalho, intitulados por ele como Ordens do Amor, mas que eu chamaria de Princípios para a Sobrevivência do Ser Humano. Além disso, ele precisa conhecer os novos conhecimentos da neurociência que explicam o funcionamento do ser humano, sozinho ou em grupo. O bom facilitador deve saber observar com clareza as regras e as culturas dos sistemas onde as pessoas estão inseridas. É necessário que ele desenvolva uma visão livre de julgamentos, pelo qual deverá explorar os vários ingredientes que fizeram a dificuldade acontecer. E isso nunca é unilateral. Um cliente consciente dos “ingredientes” que formam sua questão, poderá se reposicionar perante sua dificuldade e suas limitações.

MF: Ao seu ver, que impactos positivos essa nova forma de pensar e olhar para a vida podem gerar? Como as constelações podem auxiliar esse processo de mudança de um indivíduo?
Cornelia: Para mim, o conhecimento de uma outra forma de ver a vida e o mundo são as bases para se ampliar a percepção do facilitador. Assim o pensamento sistêmico, dentro da nossa complexidade, é o mais importante. A constelação para mim é um gerador de informação, que se explica via a física quântica e que nos permite ver, o que não vemos.

MF: Sabendo de sua larga experiencia no campo das constelações sistêmicas, quais diferencias você diria que podemos encontrar em uma formação ministrada por você?
Cornelia: Creio que meu diferencial seja um foco maior nas regras dos contextos que modulam os seres humanos, regras essas que muitas vezes podem não estar claras para os clientes, mas que os fazem do jeito que são. Também procuro elevar e priorizar as práticas dos exercícios que possam criar novos hábitos (romper os pilotos automáticos inconscientes).

MF: As abordagens que propõem soluções prontas e generalizadas, cada vez mais perdem força para as abordagens com soluções customizadas e feitas tratando cada caso como único e especial, para você o que explica essa mudança?
Cornelia: Convivemos com o foco/ideia de que os métodos podem resolver os problemas ou dificuldades, porém o mais importante é o ser humano por trás na aplicação do método. Por exemplo, um grupo de médicos, todos são médicos e receberam uma formação bastante similar, mas esse conhecimento é aproveitado/aplicado de formas diferentes por cada médico, ou de forma mais amplas, pelas pessoas que estão por traz do conhecimento. Dessa maneira, podemos dizer, cada facilitador visa algo diferente e o método em diferentes mãos, terá resultados diferentes. Não curamos ninguém, ajudamos pela nossa observação e conhecimento adquirido, sempre focados nas informações trazidas pela constelação. Agir dessa forma, tendo clareza de que o método é apenas um meio e não o fim, gera-se um impacto enorme no cliente, que o possibilitará um processo de auto-cura.

Se interessou? Então corra! O Metaforum – Universidade de Verão começa em 3 meses! Você vai ficar de fora? Aproveite essa oportunidade de enriquecer sua visão de mundo e entender um pouco melhor sobre os comportamentos dos indivíduos, sozinhos ou em grupo.

2018-06-12T17:40:53+00:00

One Comment

  1. Eliseu 23 de novembro de 2017 at 17:50 - Reply

    Amo a Cornelia, ela uma grande mestra!
    Ela sabe como ninguem descontruir e reconstruir nossa forma de pensar e olhar pra vida!
    Parabéns ao Metaforum pela iniciaitiva da entrevista!
    Um abraco

Leave A Comment