treinamento-evento-metaforum-2019
Metaforum-Brasil-100

 Veja aqui no nosso Blog  semanalmente 
entrevistas, dicas e muita informação sobre Ciências Comportamentais, Coaching, Integrativos, Constelações e Desenvolvimento Organizacional.   

O Metaforum Brasil 2020 está sendo especialmente preparado para que você possa vivenciar plenamente
essa experiência transformadora!

Fabiana Quezada – Uma jovem advogada na função de Ajuda

08/01/2019

“Quando comecei a estudar Direito, eu tinha muitas ilusões dentre elas, era acreditar que poderia salvar o mundo. Amarga ilusão.  Mal sabia que para fazer algo de impacto no mundo, eu devia salvar primeiro a mim mesma, me libertando das crenças e das limitações internas. Mas confesso que acredito em um mundo melhor e que eu posso contribuir.” Fabiana Quezada.

Em meados de 2002, eu era uma Jovem Advogada sonhadora mas já estressada com a realidade da Advocacia. Nesta época lembro que meus pais com muito orgulho da filha advogada viviam me indicando clientes, ou melhor, pessoas que queriam ajudar através de mim.

A pedido do meu querido pai, aceitei patrocinar um processo no qual as partes foram vítimas de um acidente de trânsito em outra cidade. No dia do sinistro, o proprietário do veículo causador do acidente, não prestou socorro e nem tão pouco atenção à vítima e sua família.

Em respeito ao meu pai e àquelas pessoas, que não dispunham de recursos para custear os honorários, aceitei o encargo de trabalhar naquele processo como pro bono, ou seja, sem cobrar honorários. Hoje compreendo que naquele momento dava início a uma relação de advogada e cliente, em desequilíbrio ao princípio sistêmico de dar e receber.

O processo se arrastava no tempo, e eu me sentia insatisfeita e frustrada, pois recebia apenas a cobrança dos autores, os quais me culpavam por não resolver o processo. E não só passaram a demonstrar raiva, como eu também.

Foram muitas idas e vindas de ofícios para outra cidades e cada uma delas demorava muito para retornar. O processo de certa forma também estava na ressonância de tensão.

Passados quase duas décadas, no ano de 2017 eu consegui penhorar um pequeno lote urbano do Requerido. E com isto a parte contrária, enfim, constituiu uma advogada para interpor embargos.

Eu então, resolvi entrar em contato com a advogada para tentar uma composição. Para a minha surpresa, a advogada era parente da parte contrária e, segundo ela, estava fazendo um favor. Ela me relatou que seu cliente estava doente, vivendo apenas com o benefício previdenciário, perdeu a pequena empresa, separou-se da esposa e estava em depressão. Naquele momento senti que, de certa forma, o Requerido experimentava as consequências sistêmicas do conflito não resolvido.

Como o tom da conversa era leve e focado no conflito humano, eu expliquei para a advogada, que no meu entender, a dor dos meus clientes não estava ligada tanto na indenização, mas em especial no fato de que o causador dos danos não demonstrou preocupação ou, como minha cliente dizia, “nenhuma consideração, nem para saber se tínhamos morrido”.  Após a nossa conversa, o Requerido ofereceu uma proposta, a qual honraria usando parte do seu benefício previdenciário.

Levando em consideração todo o contexto processual e pessoal das partes, e o risco da garantia obtida com a penhora, falei com minha cliente que a outra parte estava disposta a reparar, ainda que de forma insuficiente, o dano causado. Mais uma vez lá estava eu tentando ajudar, desta vez os dois sistemas. A resposta veio: “Você é minha advogada ou dele”, “Você está defendendo ele”, “ele tem que pagar pelo que fez”.

Naquele momento, ao receber o impacto daquelas palavras, me vi novamente fora do meu lugar e sofri os impactos do que chamamos nas Constelações Familiares de Ordens da Ajuda.

Senti que meu valor não foi reconhecido e entendi de forma dura quanto desequilíbrio foi gerado quando resolvi patrocinar a ação sem cobrar pelo meu trabalho.

Me coloquei numa posição superior, de salvadora, e meus cliente na posição de incapazes, crianças. Após muita reflexão, e ajuda da amiga Bianca Pizzatto, resolvi tomar uma decisão, renunciar esse papel de lugar dos pais deles. Com isso me senti leve e dei à eles a responsabilidade pelo que lhes cabia.

Com este relato, meu objetivo é que você observe se já passou por situações semelhantes e como tem exercido seu papel, em que lugar?

E como nada é por acaso, alguns dias depois atendi uma cliente, advogada, que reclamava por não conseguir clientes que pagassem pelo seu trabalho. Perguntei para ela qual era seu propósito, ela me respondeu: “quero ajudar as pessoas, na verdade, quero cuidar dos clientes”, naquele momento fizemos uma reflexão, “os filhos pagam para os pais?”, resposta: Não! Então, como quer receber nesta posição.

Nós, advogados, também somos considerados “ajudantes”, e assim nesta função, precisamos estar em simetria e respeitar o sistema de cada cliente, livres de pré-julgamentos, intenções e emoções.

Então, o essencial acontece.

As Ordens da Ajuda e os emaranhamentos

Em um dos grupos perguntei o que é ajudar? E obtive algumas respostas:

  • Dar apoio;
  • suprir necessidades do outro;
  • cessar ou reduzir o sofrimento;
  • estar perto mesmo em silêncio;
  • contribuição;
  • compaixão;
  • recurso para o próximo;
  • estar disponível;
  • fazer algo para alguém;
  • presença, responsabilidade, empatia entre outros.

Mas o que realmente significa ajudar? Podemos aprender ou exercitar habilidades de ajudar?

Qual é a minha intenção ao ajudar alguém ou pedir ajuda?

Somos seres relacionais e precisamos uns dos outros para sobrevivência individual e do sistema, neste sentido consideramos que a ajuda mútua é essencial para a vida.

Queremos compensar o que recebemos? Sim. Muitas vezes a intenção em ajudar se mostra como uma forma de compensação ou necessidade de algo que falta no nosso sistema, como: amor, reconhecimento, sentir-se competente, ter sentido, pertencimento.

E nesse sentido observando o primeiro e segundo exemplos, “suprir as necessidades” e “cessar ou reduzir o sofrimento”, podemos observar várias questões que podem estar relacionadas com o sistema de origem do ajudante. Podemos pensar quais necessidades ele acredita que não lhe foram supridas por seus pais e ele busca nos clientes? O que faz ele acreditar que pode cessar o sofrimento de alguém, depende de quem? A quem ele quer salvar? Se tenho esta intenção estou no papel de quem?

São muitas possibilidades dentro de uma única frase e para isso devemos estar atentos à nossa própria linguagem e à do cliente, entendendo quais crenças e padrões estão por trás do que está sendo comunicado.

Segundo Bert Hellinger devemos observar as seguintes Ordens da Ajuda:

  1. Só se dá o que se tem e só se espera receber aquilo que realmente se necessita.Renunciar a Ajudar. Ajuda humilde diante das expectativas e da dor.
  2. Submetemos-nos às circunstâncias e só intervimos até onde é permitido.Querer mudar o destino do outro por nossa própria vontade gera desequilíbrio. Circunstâncias internas: missão pessoal, emaranhamentos familiares, amor cego, lealdades invisíveis. Circunstâncias externas: não podem ser modificadas, doenças hereditárias, eventos, escolhas, consequências e culpas pessoais.
  3. Diante de um adulto que pede ajuda, devemos tratá-lo como adulto.Quando o ajudante quer salvar o outro, e se coloca numa posição de pais ou melhor que os pais do ajudado, vivem um processo de transferência e, a ajuda fracassa. A função do ajudante é facilitar o processo de ampliação de consciência do ajudado para que assuma a responsabilidade e as consequências das atitudes como adulto.
  4. A empatia do ajudante deve ser menos pessoal, mas sobretudo sistêmica.Olhar para o ajudado ou cliente como um indivíduo que faz parte de um sistema “a quem ou a que” deve algo, e assim como facilitador contribuir com os passos necessários para caminhar em direção a solução.
  5. Amar a pessoa tal como é, mesmo sendo muito diferente – não julgamento.A verdadeira ajuda está a serviço da reconciliação e quando distinguimos as pessoas em “boas” ou “más” negamos a alguém o direito de pertencer.

E para praticar esta forma de ajudar, isenta de intenção, podemos praticar as seguintes habilidades:

  1. Observação, percepção e compreensão: como profissional olhar a situação como sendo uma terceira pessoa, que não está dentro do problema. Observando a situação específica e ao mesmo tempo percebendo e sentindo o todo, o profissional é capaz de compreender a construção do significado do cliente.
  2. Empatia e Rapport: olhar o que está por trás do cliente, seu sistema familiar, conjunto de crenças e valores. A real empatia não é se colocar no lugar do cliente mas entender seus contextos, é a empatia sistêmica. E nesse sentido é importante estabelecer confiança por meio da comunicação e de uma linguagem compatíveis com a do cliente e que acesse seus modelos mentais.
  3. Cooperação e autorresponsabilidade:o profissional não impõe aquilo que acredita ser a melhor estratégia. Ele se coloca à serviço do cliente para construção conjunta da solução, na qual cada um assume a responsabilidade por sua parte no contrato, deixando que o cliente se sinta “adulto” para decidir dentre as possibilidades de solução.

Referência:

Hellinger B. Ordens do amor: um guia para o trabalho com constelações familiares. São Paulo:Cultrix; 2003.

Fabiana Quezada
Fundadora e desenvolvedora da SBDSIS | Advogada | Meta-coach
Consultora Sistêmica | Mediadora | Consteladora

Advogada. Mestre em Arts in Coaching pela FCU (Flórida Christian University);

Formação com CertificaçãoInternacional em Meta-Coaching (A Maestria do Coaching), pela ISNS – International Society of Neuro- Semantics com Ph.D Michael Hall;

Formação com Certificação Internacional Master Trainer em Programação Neurolinguística pelo INAP;

Formação com Certificação Internacional em Master Coach Sistêmico pelo Metaforum com reconhecimento pelo ICI , ECA, e Associação de Coaching da Alemanha – Com Bernd Isert e Sabine Klenke;

Formação com Certificação Internacional em Personal & Executive Coaching pela Sociedade Brasileira de Coaching;

Formação com Certificação Internacional em Constelação Sistêmica Cornelia Benesch e Artur Tacla pelo Metaforum Internacional;

Formação com Certificação Internacional em Consultoria Sistêmica pelo Metaforum Internacional com Gunther Fürstberger, Tilman Peschke e Guillermo Echegaray sob a Visão sistêmica dos sistemas de liderança, desenvolvimento organizacional e gestão de mudança;

Coaching Quântico pelo Metaforum Internacional com reconhecimento internacional pelo ICI , ECA ; Coaching Genius – The International Society of Neuro-Semantics;

Analista Comportamental com Formação em Assessment I (Disc e Valores) pela Success Tools;

Analista Comportamental |SOAR pela FCU – (Flórida Christian University);

Formada em Psicologia Positiva pelo Metaforum;

Coordenadora e Coautora do Livro Coaching para Advogados;

Coautora do Livro Treinamentos  Comportamentais;

Tutoria de Coaching na Comissão da Jovem Advocacia OAB Sé SP;

Presidente da Comissão de Direito Sistêmico da Subseção OAB/Lapa SP.


logo-metaforum-200

O Metaforum
é o caminho de desenvolvimento para grandes lideranças. Se você se sente desanimado com os rumos que a sociedade está tomando. Continue lendo »

Buscar no Blog

ENTRE EM
CONTATO!

Dúvidas, sugestões e inscrições. Preencha os dados abaixo, que um de nossos consultores retornará seu contato. Será um grande prazer conversar com você!

Assim como você, também odiamos Spam!
Metaforum-Brasil

:: Copyright © 2019 METAFORUM BRASIL :: Todos os direitos reservados :: Desenvolvido por:  W.Trinca - Negócios Digitais